Vende-se

Vende-se homem resoluto
De olhar impoluto
Inteligência sagaz

Homem de sono curto
Que do tempo é um furto
Que num bocejo se desfaz

Vende-se nesta garagem
Tornou-se uma miragem
Daquilo que foi outrora

Numa cama abandonado
A qual se terá tornado
Na estrada que vai embora

Desaparecia rio acima
Escondido na neblina
Como tesoureiro da paz

Guarda um baú vazio
Naquele olhar sombrio
De quem nada satisfaz

Mas quando os olhos lampejam
As vozes gorgolejam
E é marcado a ferros quentes

Flamejam-lhe as pupilas
E aos ouvidos reguilas
Prende-se de unhas e dentes

Deixa-se adormecer
Espera nunca morrer
Esconde o rosto na almofada

Sonha com nada sonhar
E pretende acordar
Sem ter pensado em nada



Fernando Miguel Santos
09-08-2014

Comentários

Mensagens populares