Alvalade XXI

O Sporting Vitória de Setúbal marcou a minha primeira visita a um dos grandes palcos que não o Estádio do Dragão. Apesar de todas aquelas cores me levarem a pensar que o Alvalade XXI seria folclórico de mais, o impacto foi surpreendente. A mistura de cores não é exagerada e a conjugação do verde com o amarelo está muito bem concebida. Uma das diferenças em relação aos estádios convencionais é a existência de uma sala de convívio para os sócios convencionais, algo de que comummente só se usufrui na zona VIP.
Quanto ao jogo em nada correspondeu à imponência do estádio. O Sporting oscilou entre períodos de fraca superioridade e outros de controlo de bola simples, sem ter a clarividência exigível para atacar o Vitória devidamente. A equipa de Setúbal, com os poucos argumentos que possui, foi gerindo o seu jogo sob o jugo do adversário, ainda mais quando ficou privada de um jogador. A expulsão seria a decisão mais acertada mas não dirigida ao guarda-redes. E este é, provavelmente, o momento que marca a instabilidade das duas equipas: o Sporting por falhar uma grande penalidade; o Vitória por ter de suprimir a transição defesa-ataque (papel desempenhado por Pedro Oliveira) com a entrada de Marco Tábuas.
O desenrolar do jogo não trazia novidades até que Deivid trabalha bem e acaba por redimir Liedson. A curiosidade é que o golo foi quase tão festejado quanto criticada a decisão de Peseiro de colocar Beto em jogo. Liedson não aceitou bem a substituição assim como os adeptos que assobiaram e abanaram uns poucos lenços brancos (imperceptíveis para os presentes no estádio).No final, o Vitória chegou a alcançar alguns momentos de fraco domínio com algumas oportunidades de, pelo menos, intranquilizar Nelson. Para a classificação ficam os três pontos conquistados sob uma monumental assobiadela.
Posted by Picasa

Setúbal


Setúbal é uma cidade diferente. Quase totalmente plana e com poucos dos mais do que conhecidos sinais nefastos da modernização (não deixando de ser moderna) fica perto de quase tudo. No entanto, não é a utilidade da localização que mais interessa, antes sim o ambiente diferente que lá se vive. Não sendo uma cidade como Porto ou Lisboa não é necessária nenhuma das preocupações comuns a estas. Além disso, tem um clima extremamente agradável principalmente para quem mora no Norte. Quanto a problemas de gestão urbanística tem alguns, como todas as cidades, mas nada comparável à organização caótica das metrópoles.

 Posted by Picasa

Cascatas


Para os lados de Arouca - não convém divulgar o lugar ao certo não só pela morosa descrição que se seguiria, mas principalmente para que aquilo não se torne num resort de luxo - existem umas cascatas e umas lagoas que, como atesta a fotografia, deslumbram qualquer um. Apesar de não haver vigilância e um eventual acidente tornar-se, por esse mesmo motivo, substancialmente mais grave, valem a pena todos os esforços, cuidados e atenções necessários para que nada de mal aconteça enquanto se usufrui da água límpida e da paisagem acinzentada pelas rochas que, quais concessões balneares, dão apoio aos banhistas que as visitam.
 Posted by Picasa

Reminiscências

O jogo do FCP contra o Rio Ave foi desesperante, não tanto pela tardia abertura do marcador mas principalmente pelas aves agoirentas que lá pairavam (leia-se sentada ao meu lado). Ora um gritava perante a inoperância dos atacantes, ora outro reclamava com a calma do treinador. O facto éque todos concordavam que o FC Porto se encontra ainda na mó de baixo, reminiscências da época transacta. O rasto de Mourinho ainda lá paira. A maioria dos sócios pagaria substancialmente mais pela cadeira em que se sentam só para ver Mourinho numa outra bem mais importante. Contudo, conforme a inscrição à entrada do falecido Estádio das Antas «os homens passam, o clube permanece» (cito de cor).
Por isso, se algo haverá a reclamar é com o tempo. A equipa ganhou, como é exigível, por uma margem acima do normal nos dias de hoje e encheu os olhos aos adeptos com uma boa exibição. Os golos vieram tarde? Todos os jogos fossem assim...

Orgulho

A noite nunca é escura de mais para pensar. Os pensamentos podem ser escuros de mais para a noite. Assim como as manhãs cobertas de nevoeir...