Dia do Pai e da Mãe





Primeiro celebra-se, depois conta-se. E, na verdade, não há muito a contar sobre o 19 de Março e de ontem, mas a história que o envolve, essa sim, é merecedora de todos os pormenores.
Neste dia, para mim, é dia do Pai, mas também o é da Mãe, pelo seu aniversário. É um dia em que aquilo que se reflecte para o pai acaba por espelhar-se no que se pensa para a mãe e a envolvência transforma-se.
Nada poderá caracterizar o amor que lhes sinto, nem tampouco minimizar em mim as dores que eles sentem. Porém, sejamos risonhos e solares, agora que a Primavera nos abraça.
Foram eles que percorreram cada pedra de castelo comigo, quando quis calcorrear a história de tudo ao mesmo tempo; foram eles que deixaram que os meus sonhos tomassem posse de mim, sem me travar; foram eles que me fizeram tal como sou e que geraram a base que me suportará; foram eles que me mostraram a diferença, o valor do trabalho, a vontade de não ficar calado, a valia e o perigo do orgulho, a estupidez da falsa modéstia, a resiliência de não desistir jamais...
E o amor. O sentimento supremo de quem tudo faz para proporcionar a um filho o melhor e de quem se engrandece com o caminho que esse possa tomar.
Os dias ficam no calendário e, por nós, apenas passam de relance. Porém, a memória da vossa influência em mim e o agradável peso do vosso amor acompanhar-me-ão sempre.
E, como sabem, também eu vos amo imenso. Obrigado ;)


Chefe têm os índios





Ser líder não é ser chefe. Nem vice-versa. Ser líder é ser como um motor que gera energia, que gera vontade, que encaminha e participa no movimento. Chefe têm os índios.
Ser líder é ser empático e defender os direitos de quem nos dá a existência. Afinal, não há líder (nem chefe) se nada houver para liderar. Perdendo as bases, a qualidade que abaixo se pratica, qualquer líder deixa de o ser.
Tenho-me encontrado em ambos os papéis ao longo da minha vida, o de líder e o de liderado. Ambos são óptimos quando o objectivo é perseguido de forma comum, sem atropelos. Atritos, esses são inevitáveis. São, até, essenciais ao processo evolutivo.
Contudo, hoje é comum alienar direitos, esmagar virtudes, baixar as calças a quem, sedento, nos quer esmiuçar cada vez mais.
Façamos frente, por favor. É disso que são feitos os maiores, os que rezam história, os que a fazem. É disso que se trata quando falamos de convicção, de sabedoria, de força. Não é nada desmesurado, nem desprovido de sentido, mas sim a pura aplicação de vários princípios e valores que demoraram décadas, séculos, a conquistar.
Todos temos direitos e não devemos prescindir deles, praticando com brio os deveres que se apliquem. Por isso, usufrua-se do direito à greve, à liberdade de expressão, à privacidade, à autonomia, à informação...
Por último, temos direito a ser respeitados e felizes.



Animal

O ser humano é um animal implacável que, aprendendo pela inteligência a limitar os actos de sobrevivência, consegue agir de forma civilizada.
O ser humano é um animal gregário, social e de predisposição para a paz.
O ser humano é, por princípio, bom.
Até ao dia em que queiram "tocar" no meu espaço, nos meus negócios, nas minhas pessoas, no que eu gosto...
Aí, o ser humano é uma besta biológica como outra qualquer.


Onze anos







Hoje é dia de festa, mas as almas não precisam de cantar. Precisam de continuar a ler.
Onze anos é o tempo que medeia a minha entrada na blogosfera e o dia de hoje. Nada fiz para festejar, é certo, a menos que enfrentar a morte apoiando algumas vidas no hospital se possa considerar celebração.
Gosto de estar aqui, de escrever para o Fiel Depositário. Mesmo assim, como poderão ver, o post do último aniversário está a muito pouca distância e sente-se o tempo que há entre as palavras.
Adianto-vos, desde já, que me encontro a enlouquecer. Ainda não sei que repercussões essas loucuras terão para mim, mas tenho a certeza que ficarei diferente.
Agora, para dar ao Fiel Depositário aquilo que ele merece tenho vários mundos. Tenho a Spoon Eyes, que nos vai proporcionando boas surpresas, tenho a SEW com os seus caps já bem badalados, tenho os meus livros, os meus doentes, os meus raros momentos de sono...
Por tudo isto, estou louco. Principalmente, louco por querer continuar a escrever aqui, neste espaço único, onde me iniciei quando tinha dezasseis anos.
Para que isso aconteça, preciso apenas de querer, mas gostava de ter a vossa participação. Mais comentários, mais discussão, mais ideias...
Comecemos por este repto! Durante uns dias escreverei sobre aquilo que me pedirem. Que tal?
Lancem a ideia e eu criarei o texto sobre esse assunto. Espero a vossa adesão
Por fim, parabéns!
O Fiel Depositário é principalmente de quem o lê.


(Toda a teoria foi demonstrada a posteriori pela forma alucinada como respondi a pessoas reais que me interpelaram durante um inusitado sono após a feitura deste texto.)


Manifesto "Não consigo"




Grassa na sociedade um género de "não consigo" que leva as pessoas à inactividade e à falta de motivação.
Assim, criei um manifesto para contrapor esse tipo de inércia, dando liberdade a todos para dizerem "não consigo" comigo, desta feita por razões efectivamente válidas.


Não consigo...


...compreender quem diz que não consegue sem tentar.

...aceitar queixas de quem nada faz para mudar.

...aceitar a palavra impossível.

...compactuar com faltas de carácter.

...ajudar quem nunca aceita as minhas opiniões.

...auxiliar quem só aceita as minhas opiniões se forem iguais às suas.

...deixar de rir ao ver instrutores de fitness com barrigas a crescer.



...confiar em dermatologistas capilares carecas.

...perceber quem gosta mais do dinheiro do que dos valores humanísticos.

...defender quem muda de opinião com a direcção do vento.

...deixar de contrapor as falsas declarações de virtude.

...entender quem ataca outros sem razão.

...encaixar o ciúme desarrazoado.

...comer o que nutricionistas gordos aconselham.

...acreditar em gestores, mentores e directores que mentem em prol do negócio.

...deixar de retribuir a quem me faz bem.

...deixar de lembrar quem me tenta maltratar.

...compactuar com seguidores cegos.


...perceber quem trai para que outros confiem em si.

...ver vantagens no isolamento.

...deixar de desconfiar em quem nunca demonstra querer mudar.

...ficar calado.

...deixar de vos pedir para usarem este manifesto.

...dizer "não consigo" sem ser por razões como estas.

...não pensar na continuação deste manifesto.

Orgulho

A noite nunca é escura de mais para pensar. Os pensamentos podem ser escuros de mais para a noite. Assim como as manhãs cobertas de nevoeir...